sexta-feira, 25 de maio de 2012

QUESITOS DE JULGAMENTO DOS FESTIVAIS DA CULTURA JUNINA AMAPAENSE
                     Foto: Armstrong Souza
                                           Quadrilheiro Junino Heraldo Almeida
 
Em 2011, a convite da Secretaria de Cultura do Amapá(Secult), com a aprovação da LIGAJAP, fui convidado para apresentar uma nova proposta do manual do julgador, dos concursos das quadrilhas juninas, com as regras dos quesitos, de acordo com as técnicas exigidas, pois o que estava sendo utilizado, há anos, não atendia mais as necessidades do nível dos projetos.
Hoje, tomei a liberdade, com a autorização do presidente Rony Oliveira, da Liga Independente dos Grupos e Associações Juninas do Amapá(LIGAJAP), de postar aqui, o manual do julgador, para compartilhar com os quadrilheiros juninos, pois, chegamos a conclusão de que cerca de 90% deles, principalmente dos dançarinos, que são os que executam os projetos(dançando), desconhecem as regras, o que vem comprometendo no resultado dos concursos, chegando a prejudicar o grupo, durante as apresentações, e sem esse conhecimento, eles não sabem os seus direitos e deveres. Somente os jurados são treinados, todo ano, e os quadrilheiros juninos nunca receberam treinamentos e nem as orientações técnicas dos quesitos.
Observe a cada detalhe, estude, interprete e discuta com seus  amigos de grupo, pois o objetivo é esclarecer as dúvidas, assim o espetáculo fica mais competitivo. Boa sorte.


1º: MARCADOR
É o principal responsável em subsidiar a comissão julgadora de tudo o que o grupo está proposto a apresentar. Ele é fio condutor da temática que leva a energia necessária aos outros quesitos e abastece os julgadores. Para conseguir um bom desempenho o marcador tem que ter total domínio das ações, apresentando o grupo ao público com muita convicção, conhecimento, postura, estilo próprio, dinâmica, objetividade, segurança, criatividade, bom posicionamento dentro do espaço físico (sem prejudicar o desenvolvimento do grupo), e domínio de todo o projeto que está sendo apresentado.Marcador é o nome do quesito, mas com a evolução da quadra junina, ele é uma espécie de apresentador de tudo o que o grupo está apresentando.O marcador se utiliza ou não do recurso de microfones. Ele pode marcar por gestos, sinais, elementos cenográficos (objetos), mas a grande maioria utiliza o microfone como principal instrumento de comunicação, para isso é de fundamental importância que ele tenha uma boa oratória, poder de improvisação (se for o caso), mas sem deixar claro, principalmente para o júri, possíveis ou eventuais equívocos. Esse recurso expressa o conhecimento, sabedoria e inteligência do marcador, e é por isso que ele tem que ter total domínio de todas as ações do grupo.Nada impede o marcador de dançar com o grupo ou só, mas não é obrigatório. É permitido que ele se apresente com performances, desde que isso não prejudique o andamento evolutivo do grupo, pois a função do marcador é outra, marcar e apresentar dentro de uma proposta, mas esses recursos (performances) têm que estar dentro da proposta.A indumentária do marcador tem que estar totalmente de acordo com o tema, pois ele é um personagem dentro de uma proposta, logo será avaliada, analisada e julgada pelo júri do quesito que ele defende.

CONSIDERAR:- A possível queda do microfone e de qualquer outro elemento a ser utilizado por ele como: Chapéu, arranjos, adereços da indumentária e performances (com possíveis efeitos cênicos).DESCONSIDERAR:- A possível falha na sonorização, principalmente no microfone, falta de energia elétrica, dançar ou não.- A utilização do uso de papel como recurso para leitura da proposta.


2º: CONJUNTO
Nos concursos de quadrilhas juninas, conjunto é o todo, é a união dos elementos apresentados pelo grupo de forma harmoniosa, em consonância com a temática, com várias observações no comportamento geral do grupo como: A formação do grupo nas evoluções das danças, passos de quadrilha, sincronismo e harmonia das músicas com a execução dos movimentos dos dançarinos, indumentárias padronizadas e completas e a uniformidade de todos os quesitos.

O perfeito entrosamento e execução dos quesitos proporciona um melhor entendimento do que é Conjunto.
Quando um dançarino(a) se apresenta sem a sua outra parte, chamada de par, meu cavalheiro ou a minha dama, que forma um casal, ou seja, sozinho, esse elemento quebra o conjunto e a harmonia do grupo.

A Indumentária, por exemplo, tem o seu conjunto que é composto de todos os elementos (adereços), de acordo com o que é representada dentro da temática, e se isso não ocorre o Conjunto da proposta está sendo prejudicado. Assim como os demais quesitos que necessitam estarem em perfeito entrosamento para se cumprir e se ter um bom Conjunto.

CONSIDERAR:- Cavalheiro sem a sua dama ou vice versa, a não ser que isso esteja no projeto e seja justificado. (quebra da harmonia e do conjunto).- A desarmonia do grupo em sua execução.-A queda de qualquer elemento durante a apresentação (principalmente da Indumentária), cênica e outros. Tudo tem que estar perfeito.- A possível falta de domínio do espaço, compromete o conjunto do grupo.- A falta de sincronismo na execução das evoluções.- O possível desmaio de dançarino(a), durante a apresentação, quebra o conjunto.

DESCONSIDERAR:- Eventuais panes na sonorização e outras necessidades de ordem técnica.


3º: MISS CAIPIRA
Miss Caipira é considerada a mulher mais importante do grupo, em todos os sentidos, é aquela que deve dançar mais e a que ocupa o lugar de destaque no grupo. Todas as suas atitudes, assim como sua indumentária, terão que estar de acordo e dentro da proposta temática. Em alguns momentos a Miss caipira é quem conduz as evoluções e as coreografias do grupo, começo meio e fim, mas isso não é obrigatório.Algumas regras devem ser obedecidas pela Miss Caipira e que são de fundamental importância para garantir sua boa apresentação e seu bom desempenho, de acordo com os princípios básicos da dança e com a temática proposta como: Coordenação motora, estilo, ritmo, sincronismo, alinhamento, segurança, elegância, desembaraço, simpatia, criatividade, atitude, leveza e domínio do que está sendo apresentado. Cada um desses pré-requisitos é de responsabilidade de cada Miss Caipira, ela tem que vir preparada para receber a idéia do coreógrafo.De acordo com a proposta de cada grupo, a Miss Caipira faz sua apresentação em dois momentos OU NÃO: Um individualmente e o outro com o grupo durante os trinta minutos regulamentares. Durante toda a apresentação ela está sendo minuciosamente observada pelo(s) jurado(s) do quesito. Sua apresentação individual não é uma obrigatoriedade, uma regra, e sim, fica a critério de cada proposta.Assim como o Marcador, a indumentária da Miss Caipira, também, tem que ser avaliada, analisada e julgada pelo jurado do quesito.O excesso nos movimentos do corpo, expressão facial e saltos desnecessários, podem prejudicar o desenvolvimento da Miss Caipira e ferir as regras da dança, principalmente na sua apresentação individual, pois é necessário definir coreografia de evolução. Já ficou entendido que a Miss Caipira tem como principal requisito, a nobreza. Ela é lorde, a princesa da corte, o símbolo maior de uma quadrilha junina, por isso que foi a escolhida para ocupar o trono, por ser a mais bela.A sua função e o seu papel, dentro do grupo é de fundamental importância, pois é ela quem defende, sozinha, um único quesito. Sendo assim, não pode e nem deve promover deslizes, como o improviso durante a sua apresentação, pois esse é considerado o seu maior crime. E só para ilustrar, o improviso é o princípio do erro.

CONSIDERAR:- A eventual queda de qualquer elemento utilizado na apresentação da Miss Caipira (adereço, arranjo, peça da indumentária, sapato, se houver, e outros).- Improviso na excussão coreográfica e na evolução da dança, a insegurança na apresentação.-- A má utilização dos elementos cênicos (se houver).- Possíveis tropeços, escorregões, quedas.

DESCONSIDERAR:- A eventual pane na sonorização e a falta de energia elétrica, e qualquer outro problema de ordem técnica.


4º: INDUMENTÁRIA
A Indumentária, assim como tudo o que é apresentado nos concursos de quadrilhas juninas, é a roupa, a peça, vestuário e o uniforme que será vestido por todos os que fazem parte do grupo e que tem que estar de acordo com a temática. Ela tem que ter a clareza dos elementos utilizados, das peças, combinação de cores, efeito visual, plasticidade, impacto, riqueza e principalmente a criatividade, que independe de qualquer material, seja de valor oneroso ou não (mais econômico). Todos fazem com que a Indumentária esteja completa. Mas, se mal elaborada e usada, pode vir a prejudicar na sua avaliação. É importante frisar que as avaliações são técnicas e por serem, é necessário que sejam observadas e exigidas suas regras. Pois, a arte não comete nenhum crime.A indumentária é a parte ilustrativa do espetáculo, ela vai dar vida a cada integrante, personalizando melhor os elementos.O efeito visual da Indumentária é reflexo da boa harmonia dos elementos utilizados pelo estilista, na composição e confecção da obra. Quando esses elementos aparecem de maneira satisfatória aos olhos da arte, aí ficou entendida a proposta e a aplicação desses elementos. Isso se chama criatividade.As quadrilhas juninas apresentam diversas indumentárias (e todas devem ser apresentadas dentro da temática). A Indumentária da Miss Caipira, dos casais destaques, do quadrilhão (aqueles que não são destaques, mas que estão de acordo com a proposta), a do Marcador e ou das participações especiais (se houver). Em todo esse conjunto de Indumentárias tem que ser observado, minuciosamente, cada detalhe, que com certeza fará a diferença em sua avaliação. A indumentária, além de tudo isso, tem que ser uma festa para os olhos de quem ver.

CONSIDERAR:- A possível queda ou desmanche de qualquer parte de elementos da Indumentária. Ela tem que estar completa, intacta do começo ao fim da apresentação do grupo, para receber sua avaliação.- A falta de criatividade, de conhecimento na cromática das cores.

DESCONSIDERAR:- Qualquer manifestação de ordem técnica da sonorização, durante a apresentação do grupo.


5º: PASSOS DE QUADRILHA
Os Passos de Quadrilha podem ser tradicionais ou estilizados. A maresia, serrote, grande roda, túnel e outros, receberam algumas modificações na sua maneira de executar, ficaram mais criativos com a inclusão de alguns elementos cênicos, teatrais, ficaram mais atrativos, mais espetaculares, com mais efeitos visuais nas evoluções, e receberam novas formas geométricas (desenhos), o que proporcionou uma melhor estética. Os Passos de Quadrilha tradicionais, não deixaram de existir e nunca deixarão. A valorização e o respeito com a essência permanecem e continuarão eternamente. A mudança está na forma de executar os movimentos. A criatividade entrou em cena e transformou os “Passos de Quadrilha” em espetáculo, tomando conta e obrigando a evolução do quesito.Como são evoluções e não coreografias, os Passos de Quadrilha, também necessitam de regras e técnicas para suas execuções evolucionais: O serrote não pode ser desenvolvido com as mãos soltas, o túnel tem que estar totalmente coberto (com as mãos ou com outros elementos), com isso, a maneira de executar pode ser diferente (formas), mas o que não podemos permitir é que os grupos modifiquem o que foi criado e que até hoje é necessário que permaneça, a criatividade na excussão está fazendo a diferença na estilização. Novas evoluções e movimentos, com “desenhos” diferentes, foram incluídos no quesito, mas os tradicionais permanecem. O que tem que ser observado, além das novidades, é a perfeição, criatividade nos desenhos, nos movimentos e na execução das evoluções, sem ferir a regra.Muitas quadrilhas juninas executam os Passos de Quadrilha sem as músicas que serviram de referência, mas isso vai de cada proposta, desde que se justifique na sinopse e esteja na temática. Mas, a origem junina não pode ficar olhando do lado de fora sem participar da festa, que também é sua. Ela não pode ficar e nem deve ser esquecida.A utilização de adereços na execução dos Passos de Quadrilha, com novos movimentos, deu maior visibilidade, dinamismo e riqueza na maneira tradicional da evolução.É necessário que o julgador do quesito observe no projeto (planta baixa), se está justificado e quais os Passos de Quadrilha que o grupo está se propondo a executar.Exemplo: Um determinado grupo justificou, em sua planta baixa, e disse que vai executar apenas o serrote e o túnel, e outro grupo, um número maior. Os dois estão corretos, mas tem que justificar e informar o que será apresentado.Portanto, avalie e julgue o que está sendo apresentado pelo grupo e não o que ele deixou de apresentar, mesmo sabendo que existem inúmeros Passos de Quadrilha, pois cada grupo tem o seu projeto.

CONSIDERAR:- A possível falta de conclusão dos movimentos.- A possível quebra na evolução dos Passos de Quadrilha.- A não execução correta dos Passos de Quadrilha.DESCONSIDERAR:- Qualquer problema técnico com a sonorização e a falta de energia elétrica, durante execução dos Passos de Quadrilha.


6°: HARMONIA DE PASSOS E EVOLUÇÃO
São dois quesitos com características parecidas, num só. Um está casado com o outro. A harmonia de Passos é o perfeito entrosamento do que está sendo tocado (música) com os movimentos do corpo em plena execução (coreografias, danças e evoluções), em pleno sincronismo. Corpo em movimento e música, juntos, formam uma perfeita harmonia de passos e evolução, colocando ordem entre as partes desse todo. Já a evolução, também obedecendo a ordem do canto, é a constante movimentação harmoniosa do grupo.São através da harmonia de passos e da evolução que se detecta as perfeitas aplicações dos movimentos ou se detecta os possíveis erros. Portanto, o sincronismo e a clareza das interpretações evolutivas têm que caminhar juntos, sem quebrar a seqüência e obedecendo as regras.A falha de um brincante, na execução de um movimento, fica visível a sua desarmonia com o grupo, pois como já anunciamos, a harmonia dos passos e da evolução tem que estar uniforme durante toda a apresentação do grupo.Corpo em ação, movimentos iguais, gestos padronizados, ritmo, interpretação e coordenação motora, são critérios fundamentais para uma boa harmonia de passos e evolução.O quesito é casado, como já falamos. Harmonia de Passos e Evolução, por isso, não basta apenas a perfeição em um. É de extrema obrigatoriedade que os dois sejam obedecidos. Isso é regra. Pois, nesse caso, eles caminham juntos.

CONSIDERAR:- A apresentação da harmonia dos passos sem a evolução, ou vice versa.- Movimentos diferentes, dos dançarinos, na mesma coreografia e evolução.- Qualquer descumprimento do que pede o quesito.DESCONSIDERAR:- Qualquer problema de ordem técnica durante a apresentação do quesito.


7º: CRIATIVIDADE
Criatividade é a habilidade para se pensar diferente. A capacidade de ver o que ninguém viu antes. Quanto mais criativa for a idéia para a realização do espetáculo, melhor será seu desenvolvimento competitivo.Criatividade é o processo que resulta em um produto novo e/ou satisfatório por um número significativo de pessoas dentro de uma proposta, e a quadra junina está diretamente dentro desse contesto.

Em concurso de quadrilha junina, criatividade é tudo o que o grupo se propõe a apresentar, obedecendo a temática, claro. A criatividade vem desde a entrada, no momento em que o marcador inicia sua saudação, até a saída do grupo.

A criatividade está presente em todos os momentos da apresentação, da escolha da temática a arte final da obra.

Adereços, cenografias, efeitos, formas, gestos, iniciativas, atitudes, aplicação do material e confecção da indumentária, maneira de dançar, coreografias, evoluções. Tudo serve de sustentação para que a proposta seja criativa. Todos os elementos utilizados fazem parte da criação do projeto.


Obs: Todo projeto tem que estar dentro da temática e jusificado, pois é ela quem diz como o grupo deve caminhar.


8º: ENTRADA E SAÍDA
É um quesito dividido em duas partes: A entrada e a saída do grupo, início e fim da apresentação.A Entrada de uma quadrilha junina tem que ser impactante, eletrizante, empolgante, alegre, de forma harmoniosa, evolutiva e emocionante.É o cartão postal do grupo, é ela quem diz como a quadrilha vem. Ela vem pedindo passagem, saudando o público e a comissão julgadora.A saída é a despedida do grupo. Ela vem mostrando a satisfação do dever cumprido, do grupo ter realizado com sucesso o seu projeto. De ter deixado claramente a mensagem que o tema propôs.Assim como a entrada, a saída tem que causar impacto, empolgação, contagiante, harmoniosa nas evoluções, alegre. Com a certeza de ter deixado saudade pela brilhante apresentação.Tem que ter clareza do que a proposta quer dizer e no que está sendo executado. Tem que ter objetividade.Tudo o que é apresentado na entrada e na saída do grupo, faz parte do projeto e por isso tem que estar incluído na temática.Como todas as entradas e saídas seguem a temática, alguns grupos podem executar de maneira diferente dentro da proposta, mas os critérios são os mesmos.

 
9º TEMA
Ele é o pai, o conselheiro, o autor, o responsável por toda idéia apresentada. É ele quem autoriza tudo o que deve ser feito. É o ponto de partida para tudo o que o grupo se propõe a realizar.Todos os outros quesitos devem obediência a ele, sem exceção. Antes de se pensar em realizar qualquer ação, ele deve ser consultado. É ele quem autoriza o Marcador a realizar o seu trabalho, o estilista a desenvolver e confeccionar os figurinos e indumentárias, o coreógrafo a criar os movimentos da dança, evolução, passos de quadrilha, entrada e saída, ensaiar a Miss Caipira e a escolha das músicas. Todas as ações têm que ser rigorosamente autorizadas por ele. Nada pode ficar fora do que o senhor Tema idealizou.O tema é o fio condutor, o dínamo que vai levar energia aos outros quesitos, sem essa energia nenhum quesito terá a luminosidade, ou seja, o enriquecimento artístico para o espetáculo.Cada grupo tem a obrigatoriedade de apresentar a sinopse, que é o grande roteiro que vai orientar e dar a base necessária para um julgamento dentro da proposta do grupo.O tema é universal, desde que leve uma proposta coerente, que vá somar com o enriquecimento cultural de uma sociedade. Ele tem que contribuir na formação cultural de um povo.O tema tem que ter clareza, objetividade, argumentação plausível, capaz de um convencimento público e julgador, pois a comunicação com o público serve de termômetro para o julgamento, e não de influência no critério do julgador.O repertório musical, obrigatoriamente, tem que estar justificado e de acordo com a temática, e justificado. Assim como tudo o que for apresentado pelo grupo.CONSIDERAR:- Proposta fora da sinopse.- Falta de argumentação.- temas que não obedeceram aos critérios.- possível erro na execução, no embasamento.


10º: DANÇAS
“Feche os olhos e sinta o seu corpo. Percorra-o em toda a sua extensão, desde o dedão do pé até os fios de cabelo. Viaje entre os músculos e nervos, perceba como eles trabalham para tornar reais os movimentos programados pelo cérebro. Sinta a sua energia vital, o pulsar de seu coração, o ritmo da sua respiração, o movimento do diafragma quando o ar entra e sai do seu organismo. Você está vivo! (Cínthia Ceribelli, autora do livro DANÇA: BEM-ESTAR E AUTOCONFIANÇA).As danças, assim como todos os outros quesitos, têm que obedecer a ordem do tema. Tudo o que for apresentado pelo grupo, tem que estar dentro desse quesito que é o pai de todos.Danças são movimentos do corpo, coreografados e evolutivos, sem excesso de repetição. Mas não esqueça que esses movimentos obedecem regras.Nas evoluções e coreografias das danças, tem que ser observados o sincronismo, a criatividade, a musicalidade adequada, grau de dificuldade dos movimentos, a interpretação, a expressão, o sentimento, a diversidade, o desempenho, o alinhamento (muito importante), a suavidade, a sensualidade, postura (comportamento do corpo), elegância e atitude.É importante observar cada detalhe na hora da execução dos movimentos, principalmente braço, perna e cabeça, tudo tem que estar perfeito de acordo com a proposta. As danças, mesmo não sendo executadas por profissionais, não podemos esquecer que as regras têm que ser obedecidas, já que existe uma disputa pela melhor execução.Obs: Apesar de estarem incluídos na dança (que é o movimento do corpo), os passos de quadrilha não estão incluídos nesse quesito, e sim, no quesito específico.

CONSIDERAR:- Possíveis tropeços; erros de execução.Passos de quadrilha não estão incluídos nesse quesito.

Texto: Heraldo Almeida

Nenhum comentário:

Postar um comentário